segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Sedução Intensa, Lisa Kleypas [Opinião]




Título Original: It Happened One Autumn
Autoria: Lisa Kleypas
Editora: 5 Sentidos
Nº. Páginas: 352
Tradução: Cláudia Ramos e Helena Ramos


Sinopse:

Quatro jovens da sociedade elegante de Londres partilham um objectivo comum: usar os seus encantos femininos para arranjarem marido. E assim nasce um ousado esquema de sedução e conquista. Num refinado baile londrino, Lillian Bowman depressa descobre que a sua educação tipicamente americana não está propriamente na moda. E encontra no insuportável Marcus, Lord Westcliff, o seu crítico mais implacável. Pena que seja um excelente partido... Quando Lillian cai acidentalmente nos braços de Marcus, vê-se chocada e consumida por uma súbita paixão por um homem que julgava detestar. O tempo parece parar e o corpo da jovem cede ao erotismo do momento, descobrindo sensações que nem sonhava existirem... Marcus, conhecido pela sua constância, também se vê perdido num turbilhão sensual. Cada toque de Lillian é pura tortura, cada beijo o faz gemer por mais. Mas como pode ele pensar em aceitar uma mulher tão pouco adequada para sua noiva?


Opinião:

A essência inebriante de um perfume especialmente talhado ao gosto refinado de uma americana alma rebelde, é o começo de uma viagem estonteante pelos bravios campos de um amor intenso, selvagem e arrebatador. Com um pouco de Senhora da Noite e umas gotas de um ingrediente mágico e secreto, esta fragrância requintada será o objecto máximo de um dos mais escaldantes e vertiginosos assomos de paixão, numa sociedade britânica que se enaltece pela pureza e serenidade inatas da sua aristocracia.

Sedução Intensa trata-se de um divertidíssimo e embriagante romance sobre as atribulações amorosas de um casal de personagens excepcionalmente arrogante e convicto, numa continuação fabulosa de um começo de série, no mínimo, inesquecível. Seguindo as passadas da irreverente Lillian Bowman, o leitor vê-se a par com as situações mais escandalosas e, no entanto, aprazíveis que uma jovem dama alguma vez poderia provocar, ou instigar, num dos condados mais apetecíveis e cobiçados pelas ladies em idade casadoira.
Lisa Kleypas escreve maravilhosamente, num ritmo ameno e agradável que tanto denota a importância dos costumes de época ao descrever, com detalhe e primor, vestuário e iguarias gastronómicas como, e em igual medida, evidencia a individualidade das personagens e o que de melhor – e, por vezes, de pior – se pode encontrar em cada uma delas. Utilizando um estilo muito próprio e adequado ao género, Kleypas é o tipo de escritora que rapidamente cativa o seu leitor, em muito devido à delicadeza, suavidade e subtileza com que constrói, e agracia, a sua narrativa.

Saber que Lillian Bowman é a estrela feminina deste título é, já por si, um dos elementos mais atractivos de todo o enredo, mas descobrir, posteriormente, que Westcliff é o homem a si destinado, qual mal imperioso, é, sem dúvida, a cereja no topo de um bolo bem pecaminoso e divertido. O facto de Kleypas ter decidido juntar estas duas personagens tão agressivas entre si, tão distintas e, contudo, tão iguais só poderia culminar numa trama repleta de picardias, beijos roubados e desalentos familiares, o que, por outro lado e para mim, simboliza o que de melhor emoldura estas personalidades no romance, a singularidade com que se complementam e, consequentemente, se auxiliam no que de menos bom cada uma possui. Lillian é o ímpeto da rebeldia e da destreza, que nem um leãozinho indomável, numa sociedade que se rege pelos ideais mais restritos, controlados e graciosos, ao passo que Westcliff é um dominador implacável, senhor da razão e da lógica que nem por sombras se deixará levar pelas fragilidades do coração. Mas dúvidas não restam de que, no final, e juntos, estes dois formam o casal mais improvável e, porém, mais absolutamente fascinante de sempre.

Igualmente valorizáveis são os pequenos pormenores que enriquecem sobremaneira a narrativa, como é o caso do frasco de perfume de Lillian que coloca todas as encalhadas em verdadeiro alvoroço dadas as suas propriedades mágicas, dos aparentemente inocentes mas fervorosos desejos de Daisy, formulados à beira do poço na Herdade dos Westcliff, e que, de alguma forma, têm uma tendência impressionante em se tornarem realidade ou, por exemplo, daquela fabulosa garrafa de água ardente cuja pêra que lhe deu sabor, adquiriu as conotações mais engraçadas e divertidas alguma vez lidas. Estas singulares pérolas de entretenimento e construção narrativa são lindíssimas e, a meu ver, somente visam gratificar o enredo em si.
Outra importante questão é, similarmente, os variados temas que se encontram presentemente abordados e que, de uma maneira ou de outra, acabam por tecer uma certa aparência de frivolidade numa sociedade que se guia pelos mais altos valores éticos e morais. As obrigações, quais requisitos de sangue azul, que recaem nas costas dos homens mais abastados, como é o caso de Westcliff, assim como as pressões decididamente familiares e que muitas vezes vão em contrário aos anseios mais profundamente sentidos, a desvalorização dos estrangeiros e menos endinheirados nos circuitos sociais, as amizades incólumes e visceralmente verdadeiras e a busca por um título, por um futuro melhor, por parte da camada casadoira são, meramente, algumas das temáticas que se podem ver discutidas aos olhos de uma autora elegante e graciosa.

Quanto a mim, penso estar patente a minha adoração e enorme estima não, unicamente, por esta série mas, e principalmente, pela autora em si. Dona de uma inteligência e beleza narrativa sem igual, Kleypas confere um elevadíssimo grau de romance e afecto a páginas que se mostram sempre divertidas e propícias ao riso. Com uma pitada de mistério e violência que, a nível pessoal, só visa criar um dado nível de suspense bastante apreciado neste tipo de romances de época, e um final que me deixou sequiosa pelo próximo volume, somente me resta dizer que Sedução Intensa é um verdadeiro bálsamo para a alma, que aquecerá inúmeros corações como aqueceu o meu.

Uma glamorosa aposta da 5 Sentidos, uma chancela Porto Editora, que tem vindo a surpreender com as poucas – mas excelentes – publicações que lança para o mercado luso. Decididamente, um livro a não perder e que aconselho, vivamente, a todas as apreciadoras de um bom romance histórico com os seus laivos de sensualidade.

2 comentários:

Anokas disse...

Não podia estar mais de acordo! É um livro fantástico e divertido. :)

Pedacinho Literário disse...

Pois é! *.*

2009 Pedacinho Literário. All Rights Reserved.