segunda-feira, 25 de junho de 2012

Shiver - Um Amor Impossível, Maggie Stiefvater [Opinião]




Título Original: Shiver
Autoria: Maggie Stiefvater
Editora: Editorial Presença
Colecção: Noites Claras, N.º 8
Nº. Páginas: 436
Tradução: Maria do Carmo Figueira


Sinopse:

Sam e Grace são dois adolescentes que vivem um amor sublime e aparentemente impossível. Todos os anos, quando chega a Primavera, Sam abandona a sua vida de lobisomem e recupera a forma humana, aproximando-se de Grace, mas sempre que regressa o Inverno, vê-se obrigado a voltar à floresta e a viver com a sua alcateia. Quando olha pela janela de sua casa, na orla da floresta, Grace repara sempre num lobo que a fita com os seus misteriosos olhos amarelos e sabe que é ele, Sam, o seu salvador. E Sam observa a sua amada de longe, ansiando pelo retorno da Primavera. Conseguirá o seu amor, cada vez mais intenso, vencer os muitos obstáculos que ameaçam separá-los para sempre?
Uma história de amor cheia de aventuras e descobertas, mágica, original e extremamente bem escrita, que desafia a mente e enternece o coração.


Opinião:

Quando o amor é verdadeiro, palpável, profundamente sentido, nada detém a força necessária, o destino errante, a mais ínfima possibilidade de o travar, de o impedir. E no preciso instante em que o primeiro olhar é trocado, em que o coração salta um batimento e em que os primeiros aflorares irrequietos se instalam no interior do estômago, aquele que sentir tudo isso, aquele que se julgar apto a lutar, a insistir, a conquistar, será, indiscutivelmente, o ser mais perfeito, mais feliz do universo.

Shiver – Um Amor Impossível trata-se de um romance jovem, carismático, sobre um relacionamento que aparenta ter todos os entraves para se desenvolver em pleno. Entre uma humana e um homem-lobo, as probabilidades de sucesso são muito remotas mas quando, na equação, entra um salvamento, uma companhia invernal constante e um afastamento sazonal extremamente doloroso, clara fica a intensidade, a imutabilidade, que fará estas pessoas, estes dois adolescentes, percorrer meio mundo de emoções e alentos para se encontrarem, e se amarem.
Maggie Stiefvater tem um encanto visceralmente enternecedor. A forma como expõe, em palavras, os inúmeros sentimentos e perigos presentes ao longo da trama é completa e totalmente exuberante, adorável, surpreendente. E o estilo simples e moderno com que permuta o leitor, da primeira página à última, rapidamente ganha contornos fixos, aliciantes, que o impossibilitam de abandonar a narrativa, abandonar personagens tão estimáveis quanto acolhedoras.

Num enredo que se centra na busca pela possibilidade de um futuro em conjunto, muitos são os intervenientes cuja importância e essência ressalta. E embora os protagonistas de tamanha envolvência narrativa sejam os que maior destaque adquirem, os que mais problemas necessitam resolver, outras personagens há que impressionam o leitor e que, principalmente, enriquecem a história.
Sam e Grace são vozes perdidas na imensidão de um Inverno que se aproxima, e de um frio e uma mudança incontrolável que, a cada rajada, a cada mero sopro, deixa no ar o pesadelo de uma transformação perpétua, de um possível esquecimento e sofrimento totais. Em separado, estas duas mentes perspicazes estão incompletas, são imperfeitas e defeituosas, mas em conjunto, um com o outro, transmitem o mais caloroso, o mais belo e arrepiante amor, uma ligação somente possível dado um salvamento prematuro e um acompanhamento, uma solidão partilhada.

Se os protagonistas deste romance englobam, em si, o esplendor de duas raças que não sabem como viver em harmonia, outras personagens dão pequenos passos em prol de um confronto mais intensificado ou de uma união mais vincada. Jack, Olive e Isabel são meros nomes numa multidão de rostos, mas os seus caminhos, as suas acções e decisões ditarão alguns conformismos, e alguns desfechos, num espaço sombrio pontuado pela ameaça e pelo medo da perda.
A um nível puramente secundário, surgem indivíduos verdadeiramente arrepiantes e assustadores que assumem aqui o papel de figuras paternais e confortáveis. O abandono, o desinteresse e a negligência prestados a uma Grace que numa constante se questiona sobre o porquê de não se sentir amada, de não se sentir importante num seio familiar peculiar, são pequenas pontadas de dor que provocam o leitor ao longo da trama, instando-o a sentir-se revoltado, insultado.

A ambiência invernosa, fria, branca, que envolve todo o enredo é um dos elementos de maior destaque. Esta esfera glacial cria os alicerces temporais, as possibilidades infinitas que o interior de uma floresta intensamente povoada acolhe e esconde, que no fundo originarão todos os acontecimentos, todas as fatalidades, todos os momentos de amor puro ou de instável adrenalina. E a par com uma recta final emotiva e marcada pela incerteza, assim como um desfecho curioso que deixa uma abertura imensa para o que daí poderá advir, Shiver transforma-se, irrefutavelmente, num romance que não só se encontra embelezado por uma capa que em tudo transmite as sensações presentes no seu conteúdo, como de igual modo se mostra delicado, gracioso e imprescindível para todos aqueles que procuram a resolução de um jovem amor impossível.

Mais do que uma história com e sobre lobos, este é um livro sobre a intensidade do amor, sobre as oscilações da amizade e sobre a eterna procura pela felicidade. Uma excelente aposta Editorial Presença, numa colecção que já é presença assídua na minha estante e que, de certo, será do agrado de muitos leitores. Entretanto, e uma vez que a continuação – Linger – Um Amor Adiado –, foi publicada este mês, mal posso esperar por saber como Sam e Grace conseguirão atingir o equilíbrio que tanto procuravam... e como resolverão a questão humana – e animal, ainda, talvez – de um Sam doce e apaixonado. 

3 comentários:

Ines Santos disse...

Gostei muito!

Já estou a seguir !

(um pulinho ao meu blog sim? ) :b

Papaiach disse...

Boa noite Pedacinho literário :D Eu gostava de saber quando é que sai o livro Linger. Depois de ter lido o Rubi (kerstin Gier) foi um livro muito bonito e muito interessante de se ler.
Gostava de saber como é que fica o a Grace e o Sam, eles fazem um casal muito bonito...

Boa noite, e espero a sua resposta.

Pedacinho Literário disse...

Olá, Papaiach
O livro «Linger – Um Amor Adiado», já se encontra publicado em português. Assim, podes deslocar-te a uma qualquer livraria ou, ainda mais fácil, adquirir o livro através do site da Editorial Presença e começar a ler! :)
Boas Leituras

2009 Pedacinho Literário. All Rights Reserved.