segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Sangue Gelado, Claudia Gray



Título Original: Stargazer
Autoria: Claudia Gray
Editora: Planeta Manuscrito
Nº. Páginas: 299
Tradução: Raquel Lopes


Sinopse:

Beijei-o de novo, mais devagar desta vez. Agarrámo-nos com mais força e eu comecei a perguntar-me quão mais próximos poderíamos ficar... e depois lembrei-me do que sentira quando lhe bebera o sangue.
A vampira em mim estava mais à flor da pele...

Academia Evernight: um colégio interno exclusivo para os estudantes mais belos e perigosos do mundo – vampiros. A Bianca, filha de vampiros, sempre foi dito que o seu destino seria tornar-se um deles. Mas apaixonou-se por Lucas, um caçador de vampiros empenhado em destruir a sua espécie. Foram forçados a separar-se quando a verdadeira identidade dele foi revelada, o que o obrigou a fugir da escola.
Apesar de estarem separados, Bianca e Lucas não desistem um do outro. Ela arriscará tudo para poder vê-lo outra vez, mesmo que isso implique enfrentar os caçadores de vampiros da Cruz Negra – ou enganar os poderosos vampiros da Academia Evernight. Os segredos de Bianca vão obrigá-la a viver na mentira.
No entanto, não é a única com segredos. Quando Evernight é atacada por uma força maléfica que parece querer atingi-la, Bianca descobre que a verdade que julgava conhecer é apenas o início...


Opinião:

Embora tenha já passado algum tempo – e muitos outros livros pelo meio – ainda me lembro de uns quantos fragmentos de Evernight, uma obra que, na altura, me deixou tanto curiosa como completamente alucinada com uma reviravolta inesperada mais ou menos a meio da leitura. Assim, foi com grande expectativa que peguei em Sangue Gelado, esperançada e ansiosa por não só ver algumas questões deixadas em aberto resolvidas como, de igual modo, ser confrontada com umas tantas surpresas e uns quantos momentos de intenso suspense. Infelizmente, esta foi uma leitura que não só não me preencheu as medidas como, a nível pessoal, se deixou ficar muito aquém do volume introdutório que a precede.

O problema dá-se logo no início da leitura. Praticamente até bem para lá de meio, o foco da acção cinge-se à relação tecida e conturbada entre Bianca e Lucas – ou, melhor dizendo, à falta dela. Bianca está constantemente a evidenciar o facto de os dois estarem longe um do outro e de ser complicadíssimo relacionarem-se convenientemente mas que, ao amarem-se como se amam, todas as adversidades serão superadas. Se, ao início, tal é suportável, ao fim de umas quantas páginas e, até, capítulos, os olhos começam a rolar. É que mesmo todos os acontecimentos que se dão pelo meio (e que não são assim tantos) revolvem-se em torno desse pormenor e uma vez que o romance toma as rédeas da narrativa, ainda para mais de uma forma pouco estimulante ou emocionante, grande porção do interesse, por parte do leitor, morre com ele. É pesaroso que assim seja só que não me consegui impedir de por diversas vezes me lembrar de outros romances sofridos e exagerados como o presente na Saga Luz e Escuridão ou em livros como Eternidade em que o próprio amor sentido entre os protagonista é, efectivamente, a personagem principal. Neste aspecto, gostava de ter presenciado alguma diferença, algum distanciamento ou inovação.
Será também por isso que achei todo o livro demasiado longo, excessivamente extenso, para as acções presenciadas. Pessoalmente, senti-me bastante mais envolvida, entusiasmada e cativada em Evernight que em Sangue Gelado e, normalmente, o que costuma acontecer é o contrário. Sendo o primeiro um livro introdutório seria de esperar que, na sequela, alguns dos assuntos abordados fossem desenvolvidos e levados a um certo extremo e/ou a um grau de complexidade mais elevado... mas tal não aconteceu, de todo. Para grande desagrado meu, acredito que metade dos devaneios e propensões de Bianca podiam ter sido cortados e, ainda assim, manter intacta a essência da história.

Outro pormenor desgostado refere-se a toda a questão dos espectros e da enigmática relação que estes têm com Bianca. Gostei da ideia dos fantasmas e da forma como se manifestam e acho que têm tudo a ver com o título do livro – Sangue Gelado – o que deixa uma certa associação especulativa e interessante no ar mas, em última instância, além de crer que o conceito deveria de ser sido mais explorado e proeminente ao longo da narrativa, encontrei uma incontestada pressa no seu último aparecimento na trama, o que deixou um certo sentimento de desprendimento ou injustificação no leitor. Isto é, o momento é descrito ao leitor, surgem questões, muitas questões, algumas são posteriormente respondidas enquanto que outras ficam soltas no ar mas... e depois? O que é que acontece a seguir? Como é que vão resolver o imenso problema que lhes aparece em mãos? Tudo o que pertence ao campo fantasmagórico e que se tem vindo a pronunciar gradualmente ao longo do enredo desaparece, deixa de ser referenciado ou pensado, e por isso inocentemente acredito na possibilidade de esta “ideia” ter somente sido um pequeno e insignificante atalho para, uma vez mais, justificar uma certa urgência de resolução na relação entre Bianca e Lucas – ou seja, voltamos ao mesmo! Porém, e ainda bem!, Sangue Gelado não foi construído apenas de momentos um pouco entediantes e/ou saturantes.

Charity foi uma lufada de ar fresco e uma agradável revelação num romance demasiadamente evidenciado. Só tenho pena de que não tenha tido um maior destaque nem um pouco mais de malévola explícita. Teria sido divertido dar-lhe um certo humor sabido e mordaz, um pouco ao estilo da personalidade que vampiros mais velhos deveriam de possuir. Balthazar também foi uma brisa fresca. Agora que o leitor teve oportunidade de o conhecer melhor, de certo que será um ponto de foco e interesse em posteriores volumes.
A recta final da narrativa foi outra surpresa. Distanciando-se do drama Bianca – Lucas, permite que a atenção se estenda não só a outras personagens como a situações efectivamente perigosas e de grande mistério que, assim e ainda que apenas momentaneamente, assumem o mote principal para o desenvolvimento do que poderá surgir a seguir. Gostei da gigantesca incógnita deixada no ar após o grande acontecimento na Academia Evernight... provavelmente o grande factor que me manterá agarrada a esta série.

Finalmente, quanto a Bianca e Lucas, tenho pena de que a primeira não se tenha apresentado de forma mais madura e adulta, visto tudo o que passou ao longo de um ano em Evernight, e que, ao invés, se tenha deixado levar por um amor louco e incontrolado, claramente a dar largos passos em direcção a um fim fatal. Com Lucas, uma vez que não apareceu assim tanto, permanece a curiosidade mas surge alguma angústia e desagrado pela atitude igualmente desmesurada e impulsiva. Só me resta aguardar pela continuação e ver como se vão os dois aguentar... se é que o conseguirão.

Destaque para a capa e para a formatação interior que permite uma leitura desafogada e descontraída. Embora não tenha sido totalmente do meu agrado, continuo interessada em conhecer o desfecho de tamanho amor impossível. Ainda para mais com o aspecto espectral agora presente, de certo que se apresentará um desfecho, no mínimo, surpreendente. Só espero que, até lá, Claudia Gray seja capaz de manter o ritmo e de deixar o leitor curioso em relação ao desenrolar das suas tramas. 

6 comentários:

p7 disse...

Oh, não. Estava com muita vontade de ler este, mas parece que a Bianca se vai juntar à minha lista de heroínas que perdem a cabeça no 2º livro. Porque parece que ultimamente em todos os 2os livros de séries YA que leio, a heróina passa a uma tolinha obcecada com o namorado. xD

Pedacinho Literário disse...

“(...) uma tolinha obcecada com o namorado”, acho que não poderia ter dito melhor! :) Até que gostei bastante de Evernight mas este Sangue Gelado gelou-me completamente os miolos. Não estava nada à espera de que a Bianca ficasse tão focada no seu relacionamento, ou na falta dele, durante tanto tempo narrativo. Foi uma pena, mesmo, porque a ideia base para este segundo volume era – já não é – bastante prometedora. :)

Ana Fernandes disse...

Alguem me pode dizer o titulo em português do 3º volume?

Pedacinho Literário disse...

Ana, como o segundo volume - "Sangue Gelado" - ainda há pouco tempo foi lançado, é normal que o título português do terceiro livro ainda não tenha sido desponibilizado. Vai ter de aguardar uns meses...

Ana Fernandes disse...

Ok, Obrigada :]

Ana Fernandes disse...

Ok, Obrigada :]

2009 Pedacinho Literário. All Rights Reserved.