domingo, 28 de julho de 2013

Hopeless, Colleen Hoover [Review]

Author: Colleen Hoover
Publisher: CreateSpace (2013)
Pages: 486
Format: eBook

Sometimes discovering the truth can leave you more hopeless than believing the lies…
That’s what seventeen-year-old Sky realizes after she meets Dean Holder. A guy with a reputation that rivals her own and an uncanny ability to invoke feelings in her she’s never had before. He terrifies her and captivates her all in the span of just one encounter, and something about the way he makes her feel sparks buried memories from a past that she wishes could just stay buried.
Sky struggles to keep him at a distance knowing he’s nothing but trouble, but Holder insists on learning everything about her. After finally caving to his unwavering pursuit, Sky soon finds that Holder isn’t at all who he’s been claiming to be. When the secrets he’s been keeping are finally revealed, every single facet of Sky’s life will change forever.

*This review contains some spoilers*

Best. Book. Ever.
There is really no other way to start this review than by stating that Hopeless is the best book, in the romance category, that I ever read in all this time as an avid reader. So many loving and passionate stories have passed through my hands throughout the years but not one, not a single one, affected me with the same intensity that Hoover’s did. I can’t totally explain how wonderfully disturbing this novel is since I’m still lacking on words, but what I do know is that everyone should read this book… because it is everything but hopeless—this story is so hanging on hope, hope for a better day to come, hope for that someone to fill our life with meaning, hope for that guilt to go away, that I’m sure it will speak to all kinds of readers, of all ages. Plus, it couldn’t have a better, strong and important message to portray, kind of camouflaged in a simple and super cute beginning, but with an intense yet gradual growth in significance and density.

Gosh, this was such an emotional ride! I laughed, I smiled, I blushed, but I also cried, and felt angry, and lost… Yes, this is a work of fiction; nevertheless, I can only imagine what it feels like for the real Skys and Lesslies in the world who have to learn, by themselves, how to cope with the repellent and tormenting situation they are in, betrayed by the ones they loved and trusted the most. Stll, thankfully, the majority of this book is about a certain feeling, shared between two people, that is capable of surviving everything. Love, that is, is a powerful weapon, the deadliest of them all, and when is mutual and equal in “quantity” it’s the most beautiful thing we, humans, have in life.
Sky was an amazing book friend, and I’m absolutely still in love with her. Her sense of humour is brilliant and her straightforward personality immediately captivated me. I really, really enjoyed watching her grow in this book, from this little naïve girl who would feel nothing while kissing boys, to this young woman who has learned how to ask questions despite her wanting to hear the answers or not. Plus, she’s incredibly brave and bold while dealing with all the consequences from her past, making difficult decisions by herself and having the right will to survive. To me, Sky is a remarkable example for girls who have gone or are going through something like she went, for more fictional that she might be.

Holder, on the other hand, was everything I could ask for, that Sky could ask for, and more. I swear he is the best book boyfriend I ever encountered, with all the goodness he has in him even though the troubling things that have been happening in his life, and all the comfort and support he gives to Sky, constantly being there for her, even when she says she doesn’t want him to. I admit I’m extremely curious to know more about his inside, his mind and endless thinking, as this story is more focused on Sky and her personal development.
Six and Brecking were so unbelievably awesome! Their corkiness and easy attitude transform them in the stunning and special people they are, and I only feel sorry for not having the chance to read more of Six’s unique text messages—they were so much fun and I missed them already.

Besides the overwhelming read that Hopeless is, and all the current and imperative themes that the book centres on—such as sexual and mental abuse during childhood, grieve beyond bearing, great loss and self-guilt, child kidnapping and gay stigma—this story is made of details, little elements that make all the difference. Sky’s bracelet, Sky’s ceiling stars, Holder’s tattoo and a somewhat large amount of decisive moments like when Holder cooks Sky some dinner, or when he takes her to watch the stars, or when he rips all the post-its off her locker, or, better yet, every time they join pinkies and he tells her all those amazing thoughtful words… everything counts, everything is important, and everything is so damn beautiful. Can’t wait to read Losing Hope—I think I might cry and laugh some more. 

«"Fuck all the firsts, Sky. The only thing that matters to me with you are the forevers."»

«I hurt everywhere. In my head, in my gut, in my chest, in my heart, in my soul. Before, I felt his kiss could cure me. Now his kiss feels like it's creating a terminal heartache deep within me.»

«"I live you, Sky," he says against my lips. "I live you so much"»

terça-feira, 23 de julho de 2013

Portrait of a Starter: An Unhidden Story, Lissa Price [Review]

Author: Lissa Price
Publisher: Delacorte Books for Young Readers (2012)
Pages: 15
Format: eBook

See how it all starts for Callie and Michael in Portrait of a Starter, an exclusive digital short story by debut author Lissa Price. PORTRAIT OF A STARTER is a perfect entryway into the world of STARTERS, and a must-read for fans who've already read the novel. STARTERS received rave reviews, including this from the Los Angeles Times: “The only thing better than a terrific concept is one that is as well executed as Starters. Readers who have been waiting for a worthy successor to Suzanne Collins’ The Hunger Games will find it here. Dystopian sci-fi at its best, Starters is a terrific series kickoff with a didn't-see-that-coming conclusion that will leave readers on the edges of their seats . . .”

Oh, another crazy, fast-paced, incredibly awesome novella! I love a good dystopian book and this sure looks like one. It’s true that we don’t get to know much about Michael’s world and about what’s really going on between Starters and Enders—or even about what Starters and Enders truly represent—but the little information given through narration was so suspiciously curious that I, personally, can not wait to seriously start reading and discovering this book.

Price was clever by presenting this novella in the perspective of a male character, an important character, especially because the real action in it is endured by Callie, the protagonist, and the girl with whom he seems to share everything. I believe that, this way, we get to understand Michael a little bit more and, by watching his reactions and fears regarding what Callie is secretly doing, we also have the chance to better acknowledge his feelings for her. There’s a tiny hint of a love interest simply due to a certain jealousy he shows towards the person Callie meets with, and an evident despair by what she does without telling him a thing.

I really enjoyed how the places and the people were described, as a reader I want to feel like I can visualize everything I’m reading, and that happened for sure. The memory situation left me hanging on, thirsty for answers. The relationships and animosities between Starters and Enders also made me question a lot of things, and seek for more information. Overall, this novella was the perfect entryway to a complete different world that I can’t wait to know more about, and to two characters that seem to have much, much more to show. Thumbs up for this one!

«I hate being a Starter. Hate being sixteen. Hate being hungry. I wish we were allowed to work.»

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Resultado do Passatempo «Submissa», Tara Sue Me

Aposto que estavam desejosos de saber qual o vencedor deste passatempo em especial!
A sorteio esteve um exemplar do romance erótico, A Submissa, da autora Tara Sue Me—uma leitura que me surpreendeu sobremaneira, e pela positiva. Assim, com o apoio da muito estimada Lua de Papel, o Pedacinho tem o prazer de entregar este prémio a...:

187. Teresa (...) Costa

Muitos parabéns à feliz contemplada!  
Espero que esta seja uma leitura inteiramente do seu agrado, com muitos bons momentos literários.
Aos que não ganharam desta vez, já sabem, mais oportunidades virão no futuro próximo. Por isso, não desesperem. =)

Boas Leituras!

domingo, 21 de julho de 2013

Emoções Proibidas, Jess Michaels [Opinião]

Título Original: Everything Forbidden
Autoria: Jess Michaels
Editora: Quinta Essência
Nº. Páginas: 254
Tradução: Maria Ponce de Leão


Durante vários verões Miranda Albright viu - horrorizada, mas vergonhosamente excitada - o seu perverso vizinho Ethan Hamon, o notório conde de Rothschild, «entreter» uma sucessão de amantes nos terrenos da sua propriedade. Agora que o pai dela morreu, deixando para trás uma montanha de dívidas, Miranda deve fazer o impensável. Ethan prometeu apoiar as suas irmãs mais novas, financeira e socialmente, por um preço escandalosamente caro: Miranda deve oferecer-se completamente ao conde durante três meses, sem remorsos e sem restrições. Noventa dias e noites de sensualidade desenfreada esperam-na nos braços de um galã que vê a sua submissão como nada mais do que um grande jogo erótico. Porém, nem Miranda nem Ethan percebem que fogo arde por detrás de um rubor inocente. E assim que a paixão dela é desencadeada pelos lábios e pelo toque de Ethan, é a aluna que vai ensinar ao professor os caminhos do prazer proibido... e do amor.


Enquanto observadora em silêncio, por entre a brumosa vegetação de uma propriedade para si interdita, Miranda experienciou algumas das sensações mais excitantes e emocionantes da sua tenra vida, mas quando as imagens percepcionadas, de tão proibidas e escandalosas que são, representam uma constante na sua mente jovem e inocente que pouco ou nada sabe sobre o amor, a paixão ou a volúpia, o que fazer para apagar, amainar, o fogo crescente que lhe arde no peito?
Embora partilhar o seu corpo e a sua arte com mulheres sozinhas ou experientes seja algo que não só se mostra extremamente prazenteiro como absolutamente natural, para Ethan o mesmo já não se pode dizer quando é o coração o órgão a querer falar mais alto, talvez até com intenções de proclamar amor eterno e fiel a uma jovem cuja pureza se torna tão inebriante, tão escaldante, que resistir-lhe é tarefa impossível.

Emoções Proibidas é o terceiro romance que leio desta autora, que sabe, exactamente, como me encher as medidas com as suas histórias breves mas repletas de significado, emoção e sensualidade. Em poucas páginas, Jess Michaels tece algumas das mais belas teias envolvendo personagens egoístas no que diz respeito ao prazer, e sofredoras quanto ao passado que as embala em presentes pouco dignos e tortuosamente solitários.
Com uma escrita algo encantatória e poética, ao mesmo tempo que apresenta uma certa profundidade no desenvolvimento da relação entre o casal protagonista, Michaels pontua, ainda, o seu enredo com descrições curtas e assertivas dando, assim, primazia aos diálogos que são, muitas vezes, divertidos e sensuais e, claro, aos intensos momentos de efusão carnal espalhados um pouco por todo o romance.

Albright, a mais velha de quatro irmãs, é conhecida pela sua sensatez ao, muitas vezes, ser envergonhada, em público, por uma mãe que parece não saber as principais regras do decoro, e pelas inúmeras propostas de casamento que recusou, principalmente após a morte do seu pai e do acréscimo de responsabilidades face uma ruína precoce e inesperada e uma família que tira prazer no materialismo. Incapaz de se entregar a um matrimónio sem amor ou paixão, Miranda concentra-se no presente e no que terá de fazer para garantir uma oportunidade de felicidade a cada uma das irmãs, sobretudo a Penelope, que mais do que uma familiar é, também, a sua melhor amiga e mais querida confidente. O que Miranda nunca ousou imaginar é que as suas acções, por mais bem intencionadas que sejam, serão alvo das mais avassaladoras e desastrosas emoções...
Rothschild, um homem de reputação inigualável, embora aprecie a habitualidade e secretismo magnetizante da sua residência de verão e do que, dentro das suas paredes, se passa, depara-se, na actualidade narrativa, com um dilema de proporções desastrosas: deverá, ou não, seguir a sua vontade de não levar uma dama para o seu «palácio»? E caso o faça, o que deverá fazer durante todo o monótono período mais quente do ano? A resposta chega-lhe na forma de uma figura esbelta mas em desesperada necessidade de ajuda, no entanto, nada o poderia, alguma vez, ter preparado para as consequências do acto que aquela visita nada aguardada irá proporcionar...

Ainda que os detalhes sejam um factor de enorme importância para Michaels, neste romance em particular, notei uma atenção especial ao conceito de família, com distinta incidência no lado de Miranda, que me deixou, irrevogavelmente, maravilhada. Inserindo, assim, um pouco mais de essência e conteúdo a um enredo de forte componente íntima, a autora encanta, e embala, o seu leitor ao presenteá-lo com explícitos dilemas familiares que em muito marcarão o desenvolvimento da acção. Penelope, instintivamente, é um sólido exemplo disso mesmo. Embora seja uma personagem de cariz secundário, ao representar parte da razão de muitas das cedências de Miranda a um homem como Ethan, os alicerces que daí foram quebrados alteraram toda a dinâmica da trama, provocando, desse modo, toda uma série de situações intrínsecas nada fáceis de resolver. Tenhamos, nomeadamente, em conta a nota final de Emoções Proibidas. Como irá Penelope reagir agora que o seu casamento já não é mandatório? Forçar-se-á a uma aliança desprovida de amor?
Também a ambiência criada em torno deste primeiro volume da série Albright Sisters—da qual já conhecemos a história de Cassandra Willows (que tem uma pequena mas muito interessante aparição neste romance), e de Beatrice Albright—, mais sensual e intimidante que nunca, com constantes incidências de provocação nata, foi uma surpresa que me agradou sobremaneira. A propriedade de Rothschild, como principal pano de fundo, é como um cenário idílico do prazer, palco dos mais impensáveis actos de sensualidade possíveis, que contrasta peculiarmente com a opulência dos dois bailes presentes na narrativa, onde ditam as regras que os bons modos são essenciais.

Quanto a mim, adoro quando um livro tem o poder de me surpreender, mesmo quando julgo conhecer o estilo do seu autor, mesmo quando penso saber o caminho que as personagens irão trilhar. E são essas narrativas, histórias como esta—que de tão simples, de tão palpáveis e humildes pouco ou nada de novo se espera—que me dão real prazer folhear, pela componente familiar que o enredo oferece ao leitor experiente mas, ao mesmo tempo, pelo sobressalto, pela surpresa que espreita sempre ao virar da esquina. Michaels é uma autora que aprecio sobremaneira e cujas tramas me fazem vacilar entre o entretenimento puro e a sua brevidade característica. Gosto muito das suas personagens e as irmãs Albrigh eram já figuras, desde romances como Tabu e Força do Desejo, que aguardava, expectante, conhecer mais profundamente. Miranda foi, tal como imaginava, um prazer inesperado de descobrir, com uma devoção à família e uma vontade ingénua de sentir paixão, de ser amada, avassaladoras, mas também Ethan foi alguém que adorei desvendar, mesmo possuindo algumas especificidades comuns de uma personagem do seu calibre.

Uma aposta forte que continua a arrebatar corações, por parte de uma das nossas editoras mais femininas, Quinta Essência, adequada para apreciadores de autoras como Cheryl Holt e Elizabeth Hoyt, que conferem uma componente sólida de sensualidade aos seus enredos, ao mesmo tempo que desenvolvem uma narrativa de bailes e beijos roubados numa das mais belas épocas inglesas, a Regência.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Pedacinho picks... Quinta Essência

Confesso que não é autora cuja obra conheça profundamente, mas é, e isso sim, uma escrita que me agrada e, sempre, me embala numa viagem maravilhosa pelos campos do amor, da amizade, e de bonitas terras irlandesas. Posso não gostar muito da capa deste seu novo romance, editado por cá, por achar que se assemelha ao estilo de uma outra autora, mais virada para o suspense, mas, ainda assim, a curiosidade por descobrir a história empregue nas suas páginas é imensa e, por isso, merece um destaque aqui no blogue. 
A Casa de Willow Street, mais uma escolha da Pedacinho, para o corrente mês de Julho, com carimbo Quinta Essência. 

A Casa de Willow Street
Cathy Kelly

Tess costumava sentir-se feliz com a sua vida: mora na idílica e costeira Avalon com o filho adolescente, Zach, e a filha de nove anos, Kitty, e trabalha na loja de antiguidades local. O único arrependimento que tem é tudo ter corrido tão mal com o seu primeiro amor. Em seguida, o seu casamento chega ao fim e o tal primeiro amor regressa a Avalon...
Suki, irmã de Tess, fugiu da Irlanda anos antes para casar com o político Kyle Richardon. Quando descobre que alguém quer escrever uma biografia sobre ele há apenas um luhar para onde pode ir a fim de se assegurar de que os seus segredos permanecem escondidos. 
Danae é a funcionária dos correios de Avalon e esforçou-se bastante para garantir que ninguém sabe de onde veio ou quem é... O passado só a si diz respeito, e ela gostaria de mantê-lo assim. 
Em Galway, Mara exibe um sorriso falso num casamento; só quer perguntar uma coisa ao noivo: porque lhe disse ele que a amava? Precisando de deixar o passado para trás, Mara pega na sua vida e prepara-se para um novo começo. 
Poderão estas quatro mulheres resolver os seus passados? Ou será que precisam de olhar para trás antes de poderem começar a viver para o futuro?

Sobre a autora:
Cathy Kelly nasceu em Belfast e cresceu em Dublin. Iniciou a sua carreira num jornal nacional irlandês, onde foi editado de moda e de notícias, crítica cinematográfica e autora da popular coluna de conselhos «Dear Cathy». Editou o seu primeiro romance, Woman to Woman, em 1997, que se transformou de imediato num êxito de vendas e converteu Cathy Kelly numa autora reconhecida internacionalmente: os seus livros estão traduzidos em mais de quinze línguas, com milhões de exemplares vendidos em todo o mundo. Alguém como tu, a sua primeira obra editada em Portugal, recebeu o prémio Romantic Novel of the Year, para o melhor romance do ano, em 2001. 
Actualmente, Cathy Kelly vive no condado de Wicklow, na Irlanda, com o marido e os filhos gémeos. 

terça-feira, 16 de julho de 2013

Adding to the Pile (8)

Hoje trago-vos mais uma selecção de pedacinhos de histórias que, ao longo destes poucos meses, têm vindo a preencher as estantes. Com o esforço de colocar esta rubrica em ordem, venho mostrar-vos um conjunto de títulos mais antigos com novidades recentes, para que fique sempre presente a curiosidade de saber mais sobre algumas das actuais, passadas e futuras leituras aqui do blogue. Espero que gostem!
Assim... deixo-vos o segundo pack de miminhos!

Amanda Hocking
O terceiro volume desta trilogia do fantástico era o que estava em falta na estante, para que agora, passadas as complicações das esperas, me possa dedicar, de atenção e alma, a estes livros. O primeiro, Trocada, está lido, e embora não tenha achado assim nada de especial e até um pouco inferior quando comparado com outras trilogias do género, ficou a vontade de conhecer um pouco mais da Wendy e do seu espírito sobrenatural. 

O Império das Asas
Claire Corbet
Quando soube desta novidade, algo em mim despertou e disse: quero! Gosto muito de livros cujos protagonistas são anjos ou, de alguma forma «mágica», possuem asas, pelo que a expectativa era enorme. Actualmente, é uma das leituras aqui da Pedacinho, mas, infelizmente, não está, nem de longe nem de perto, a corresponder ao esperado. Vamos ver o que acontece... 

Emoções Proibidas
Jess Michaels
Adoro, adoro esta autora, pelo que esta novidade não poderia, de forma alguma, escapar. Para o género romântico de época, Michaels é muito assertiva na sensualidade que confere às suas tramas a par com a quantidade de páginas ideal, tornando-se, os seus livros, verdadeiras pérolas de entretenimento rápido e muito, muito satisfatório. Outra das presentes leituras, pelo que espero postar a opinião em breve, aqui, no blogue! 

Um Desastre Maravilhoso
Jamie McGuire
Ainda antes de saber que este belo e desastroso romance New Adult ia ser lançado por terras lusas, já o tinha lido em inglês. Tenho, tanto a edição do primeiro como a do segundo, no original, em paperback, e agora, não resisti a adquirir, também, a edição portuguesa. Espero, um dia, ler este pequenino na minha língua mãe mas, até lá, ficará guardadito na estante. E eu sempre com um sorriso nos lábios, até em casos como este. =)

Uma Espia no meu Passado
Lucinda Riley
Tenho ambos os romances desta autora na estante, tenho igualmente uma curiosidade tremenda pela sua escrita, mas, e embora tenha folheado já uma ou outra página deste Uma Espia no meu Passado, a verdade é que ainda não lhe voltei a pegar—shame on me, que até estava a gostar! Assim, espero que esta estreia não demore muito mais a concretizar-se e, até lá, fica o desejo de conquistar ambos os mundos desta autora. 

Um Segredo no seu Beijo
Anna Randol
Nunca li nada desta autora nem, tão pouco, conhecia a sua bibliografia, mas, fiquei agradavelmente surpreendida com a sinopse deste livro e, por isso, não resisti a adquiri-lo. Quanto a lê-lo, isso já é uma história diferente. A promessa de o fazer em breve fica aqui, escrita, mas quando se concretizará, de facto, já é outra história... de qualquer das formas, romance histórico com uma pitada de suspense parece-me muito bem para este verão quentinho, não concordam? 

Todos os teus beijos
Laura Lee Guhrke
Mais um romance de época! Já vos disse que é dos meus géneros de eleição? *.* Nota-se, não se nota?! =)
Desta autora, ainda não li muito mas o que li, não li de facto, devorei, pelo que fica a vontade de conhecer mais esta sua história e, assim, me perder no mundo que a regência inglesa foi outrara. Até fico arrepiada! 

Só livros fabulosos, não acham? Estou bastante satisfeita com estas aquisições, até porque muitas delas ou são de autoras que sigo atentamente ou de géneros dos quais gosto muito. As desconhecidas, estou à espera de que sejam autênticas surpresas... ao que parece, pelo menos numa, enganei-me, mas ainda não perdi a esperança...! 

Mas, e vocês, o que é que, de entre estes romances, gostariam de ler?

Pedacinho picks... ASA

Adoro Madeline Hunter. Não só é autora de uma escrita que continuamente me cativa e envolve, como também, como pessoa, é um doce—tive oportunidade de a conhecer, aqui há uns anos atrás, e posso dizer que foram momentos inesquecíveis. Assim, quando soube que outra das suas sérias ia ser traduzida para português, não tive como conter o entusiasmo. Chegou a vez de As Flores Mais Raras.
Deslumbrante, a escolha da Pedacinho, para o corrente mês de Julho, com carimbo ASA.

Madeline Hunter

Numa época em que a reputação de uma mulher é o seu bem mais precioso, Audrianna desafia todas as convenções. Ela é uma jovem determinada, independente... e disposta a tudo para aniquilar o seu adversário, o altivo Lord Sebastian Sommerhayes. A uni-los está um homem: o pai de Audrianna, que morreu envolto nas malhas de uma conspiração. Para Audrianna, essa tragédia significou o fim da sua inocência. Para Sebastian, que liderou a investigação, foi apenas uma morte merecida. Audrianna jurou limpar o nome do pai, mas nunca esperou sentir um desejo tão avassalador pelo homem que o arrasou. A busca pela verdade vai levá-la demasiado longe numa sociedade que é implacável perante a ousadia feminina. Ao ver-se mergulhada num escândalo que pode ser-lhe fatal, Audrianna tem apenas uma inconcebível opção... 

Sobre a autora:
Madeline Hunter publicou o seu primeiro romance em 2000. Escreveu já vinte romances históricos e ganhou duas vezes o prémio RITA, da Romance Writers of America, com Stealing Heaven em 2003 e Lessons of Desire em 2008. Quase todos os seus livros figuraram na lista dos mais vendidos do USA Today e é uma das autoras favoritas da publicação Romantic Times. As suas obras encontram-se traduzidas para doze línguas, tendo vendido seis milhões de exemplares. Doutorada em História de Arte, dá aulas numa universidade. 

domingo, 14 de julho de 2013

A Submissa, Tara Sue Me [Opinião]

Título Original: The Submissive
Autoria: Tara Sue Me
Editora: Lua de Papel
Nº. Páginas: 280
Tradução: Carla Melo


Até onde irias para viver uma fantasia? Abby tem uma fantasia secreta. Em Nova Iorque toda a gente sabe quem é Nathaniel West, o sedutor milionário que controla as West Industries. Mas poucos conhecem o seu segredo: ele é um dominador terrivelmente sexy, extremamente exigente. E procura uma nova submissa. Abby é uma bibliotecária, tem uma vida cinzenta, anseia por mais - todo um mundo de prazeres de que ouviu falar mas que nunca ousou experimentar. E tem uma dívida antiga para com Nathaniel, que ele próprio desconhece. Ela oferece-se a medo, promete satisfazer-lhe os mais recônditos desejos. E após um tórrido fim-de-semana a dois, Abby não tem dúvidas: quer mais, muito mais, nem que para isso tenha de se submeter às condições impostas pelo seu novo Mestre... Mas até onde será capaz de ir? Num jogo de paixão e poder, onde aos poucos o amor se insinua, Abby vê-se perante um dilema: face à frieza e distância de Nat, ela teme que o coração dele esteja fora do seu alcance - ou que o seu próprio coração esteja para sempre perdido.


Quem conhece os meus gostos literários e/ou segue este espaço, sabe que não sou grande apreciadora do género erótico do romance. Desde a trilogia As Cinquenta Sombras de Grey, da qual só consegui ler o primeiro volume—dado vários elementos irritantes da narrativa—, que tenho descoberto, nos livros entretanto publicados, um estilo demasiado análogo, com estruturas idênticas de enredo, de ideias e de clichés. Porém, encontrei em A Submissa a surpresa que há muito aguardava, ao folhear tantas outras histórias sensuais, e que me deixou, completa e totalmente, amarrada às voluptuosas nuances que a traçam.

A Submissa é como uma brisa quente numa ainda mais acalorada tarde de verão—trata-se de um romance inovador, extremamente refrescante, com personagens fortes e bem delineadas, e uma robusta componente física contrabalançada com uma muito interessante perspectiva psicológica. Sobre vontades e desejos, sobre aceitação e persistência, esta é uma história que conta muito mais do que o desenvolver de uma relação entre dominador e submissa, entrando por campos do íntimo, do pensamento, pouco ou superficialmente explorados noutros textos vizinhos.
Tara Sue Me é bem capaz de possuir uma das escritas mais embaladoras, mais conquistadoras, que conheço. Ela leva o seu leitor por todo um universo místico de prazer e sedução, de dor e paixão, sem que este, alguma vez, pense, sequer, em descurar os olhos das suas páginas. Com descrições ora pormenorizadas quando necessárias, ora mais leves, Sue Me retrata uma das relações mais intensas que li num romance, ao mesmo tempo que cuida em dar essência aos diálogos, aos sentimentos de Abigail—a protagonista e olhos deste A Submissa—e aos pequenos pormenores narrativos, em termos de história, que se encontram por trás do que é mostrado.

Sendo esta uma trama que dá primazia à ligação texturada através do domínio e da rendição entre o casal em destaque, e tendo em conta o historial literário que me passou pelas mãos, seria de esperar uma Abby ingénua, deveras inocente e altamente medrosa, ao mesmo tempo que, no outro lado, se encontraria um Nathaniel arrogante, poderoso e de punho forte. Não é que o segundo caso esteja inteiramente errado, mas, no que diz respeito a Abby, a natureza que a define, enquanto personagem, não poderia estar mais longe da realidade.
Ela, Abigail King, é uma mulher adulta que procura submeter-se à influência de um homem dominador, de modo a ter alguma da satisfação sexual que não tem conseguido encontrar em parceiros ditos «normais». De intelecto forte, ainda que com algumas dúvidas ocasionais, e vontade de ferro, Abby é uma personagem absolutamente aconchegante na medida em que sabe impor limites a si própria e, mais importante, está disposta a segui-los.
Ele, Nathaniel West, é um homem na casa dos trinta que há mais de dez anos encara as suas relações íntimas e pessoais com um cariz mais requintado de... dominador nato. Com um passado sofredor e um futuro cada vez mais brilhante, Nathaniel é uma personagem que cativa pela sua intensidade pulsante e pelo jogo mental que constrói a par com Abigail, numa dança perfeita de dar e receber prazer.

Existem ainda outros intervenientes secundários que visam abrilhantar o enredo com alguns momentos de humor e verdadeira amizade. Felicia, por exemplo, é o apoio que nunca deixou Abby na mão, um contacto de socorro, de ajuda, caso venha a ser necessário e uma amiga que, no final de contas, se tornará quase família. Elaina, por outro lado, é o escape que Abby nunca imaginou encontrar, e a ligação—mais profunda, mais linear—ao homem que ela espera, um dia, poder vir a amar em pleno. Entre outras figuras ocasionais, estas são as que mais se destacam, mas, no seu conjunto, embora não seja um leque de interferência ou importância regular, não deixa de ter o seu quê de interessante e apelativo ao núcleo central da narrativa.
Os cenários descritos ao longo do enredo são algo reduzidos, mas cada um representa um ponto de salvação, uma cedência ou uma descoberta, por parte de um deles ou, em alguns casos, por parte de ambos, o que lhes confere um significado completamente diferente e novo, mais sentido. Mas não sendo esta uma história sobre lugares e sim sobre sentimentos, emoções, explorações, foi com uma muito agradável expectativa que avancei página a página, ciente de que iria encontrar, sempre, um romance virado para o aspecto físico da relação dos protagonistas, mas com a surpresa de que a componente mental, psicológica, acabou por tecer linhas decididamente mais robustas e inquebráveis do que, previamente, esperado.

Quanto a mim, gostei particularmente deste livro, mesmo não estando nada à espera que tal acontecesse. Assim que li os primeiros capítulos, dei por mim completamente embrenhada na história, envolvida na vontade de Abby em querer ser submissa de um só homem, estarrecida com o poder mental de Nathaniel e com os seus jogos de dar e receber, e maravilhada com os demasiado curtos fins de semana a que ambos tinham direito, juntos. Senti-me satisfeita com as personalidades de ambos, sem algumas das lamechices a que outros romances do género dão ênfase, e, principalmente, sem a deusa interior presente no mundo de Mr. Grey. Não achei que as explorações da relação dominador submissa de Abby e Nathaniel tenham sido demasiado susceptíveis ou irreais, dando preferência ao amor ao invés de se focar na essência desse estilo de vida, e fiquei bastante agradada com a quantidade de páginas do livro em si—não sendo nem muito curto, nem muito longo, tem, para mim, o tamanho ideal de modo a não cansar o leitor.
Agora, ao descobrir que esta começou por ser, também, uma fan fiction do Twilight, escrita ainda antes de As Cinquenta Sombras de Grey, fica a sensação de uma certa semelhança entre os dois romances, sendo que A Submissa é, claramente, superior em qualidade. Aos leitores que encontraram, em Grey, uma fonte de prazer literário, de certo que esta trilogia—ou, pelo menos, este primeiro volume—será, igualmente, uma leitura de sucesso. Aos que não gostaram ou, simplesmente, procuram experimentar um estilo com um livro menos susceptível, A Submissa é bem capaz de ser a opção ideal.
Ah, e sem esquecer, especial destaque ainda para a componente visual deste livro, algo em que a Lua de Papel tem vindo a trabalhar pela diferença.

Uma escolha inteligente por parte da Lua de Papel, nesta que é a sua terceira grande aposta dentro do género erótico, depois de sucessos como o de E. L. James e de Samantha Young. Dúvidas não restam de que, para os apreciadores do romance físico, esta é uma história mais do que assertiva. Gostei bastante e aguardo, com expectativa, o lançamento dos outros dois volumes que completam a trilogia.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Paixão Sublime, Lisa Kleypas [Opinião]

Título Original: Devil in Winter
Autoria: Lisa Kleypas
Editora: 5 Sentidos
Nº. Páginas: 320


A boca dela roçou a dele, sedosa, macia e quente… e ele sentiu o estonteante toque da sua língua. Acendeu-se-lhe, desde logo, a chama do desejo e deixou-se afogar num prazer imoderado, poderoso, como nunca havia sentido.
Quatro jovens damas da sociedade londrina procuram um bom partido. Chega a vez de Evangeline Jenner, a mais tímida, mas também a mais rica, logo que cobre a sua herança. Para escapar às garras da família, Evie pede ajuda a Sebastian, Lord St. Vincent, um conhecido libertino, fazendo-lhe uma proposta irrecusável: que se case com ela, trocando riqueza por proteção. Mas a proposta impõe uma condição: depois da noite de núpcias, os dois não voltarão a encontrar-se na intimidade, pois Evie não quer ser mais um coração partido na longa lista de conquistas de Sebastian. A Sebastian resta esforçar-se mais para a seduzir… ou entregar finalmente o coração, em nome do verdadeiro amor.


Quando nos deparamos com livros que são verdadeiras pérolas de mimos, que não só nos enchem as medidas como também recheiam o nosso coração de amor e afecto, como colocar em (meras) palavras a magnificência contida nessas páginas? Lisa Kleypas é incomparavelmente maravilhosa e a sua série À Flor da Pele é, sem dúvida, do melhor que se vê publicado em português, dentro do romance de época. As encalhadas são já personagens pelas quais os leitores nutrem um enorme carinho, e os cavalheiros que lhes corrompem a virtude, que as levam à loucura e ao desespero, são, aos mesmos olhos, figuras de galante encanto.

Paixão Sublime é o terceiro volume de um quarteto impressionante de instâncias femininas que procuram, para si, a felicidade que as suas posições ou pequenos defeitos sociais as impedem de alcançar. Percorrendo, desta feita, o horrível passado de Evie e a reputação ruinosa que antecede Sebastian, confrontando-os com um futuro que de tão incerto quase se semeia impossível, esta história tocará o íntimo dos seus leitores não unicamente pela carga emocional que alberga e pelos obstáculos que coloca no caminho deste casal extremamente improvável mas, igualmente, pela carência que cada um deles vê preenchida pela presença do outro, e pelo amor e compreensão gradual que vão criando entre si.
Lisa Kleypas é um autêntico doce no que diz respeito ao modo como envolve as suas personagens em tramas interessantes e repletas de paixão, cativando o seu leitor da primeira à última página. O seu estilo narrativo é dotado de uma beleza incrível, simples e até etérea, mantendo-se extraordinária nas descrições da regência inglesa e assertiva na concepção dos diálogos, sendo estes, muitas vezes, também pontuados por um humor deslumbrante.

Ainda que, por norma, este género de narrativas e séries ofereça e demonstre uma certa tendência para a contínua caracterização de personagens de histórias anteriores, em Paixão Sublime, as atenções recaem, quase em exclusivo, no casal protagonista. E é através dos alicerces de uma proposta benéfica para ambos que as teias do enredo se vão tecendo em torno de uma viagem absolutamente magnífica pelos campos do amor, da aceitação, e do carinho por aquele que se ama—embora, muitas vezes, tal sentimento não seja admitido.
Evie é um encanto de personagem. A sua personalidade mais arrojada, revelada aquando na companhia de St. Vincent, e instinto protector transformam-na na irmã mais velha ou na ama que qualquer menina da regência gostaria de ter a seu lado, a cuidar de si. Mas o seu humor e sentido de oportunidade é genial, mesmo com uma gaguez nervosa, e por isso é quase impossível não arrecadar frequentes sorrisos por parte dos leitores. Quanto a Sebastian, este é um figura de porte alto, com uma algo predominante propensão de dominador, mas com uma força interior que nem ele mesmo se apercebe possuir. Desde o primeiro instante que zela pelo bem-estar de Evie, e tendo em conta o estatuto desta, essa é uma atitude muito pouco esperada vinda da parte de quem vem.

Mas este é, decididamente, um casal sem igual, que vive uma paixão tão avassaladora, tão contida e, ao mesmo tempo, tão escondida em acções prometedoras, em discursos provocantes e em ideias protectoras, que tem um impacto tal no leitor que este, por tantas vezes, sente autênticos arrepios de prazer na pele. Paixão Sublime foi, para mim, um dos melhores—se não mesmo o melhor—romance de época que alguma vez li, tendo Kleypas enredado por caminhos inovadores, transcendentes, com o intuito de proporcionar a melhor e mais bonita história de amor de sempre. O sentimento que une Evie e Sebastian está escrito em sangue, em suor, em trabalho árduo e em promessas veladas, proferidas muito antes de qualquer um deles saber o quão importante o outro é, e o quão modificador será o seu futuro—em conjunto.
No entanto, com isto não pretendo afirmar que mais nenhum interveniente de interesse figura nestas páginas adoravelmente sublimes, aliás, muito pelo contrário. Foi verdadeiramente emocionante reencontrar personagens como Lord Westcliff, quando o rapto de Lillian se encontra ainda demasiado fresco, Daisy, cujo título de encalhada se deverá suprimir no próximo romance, ou Annabelle, agora prestes a ter o seu primeiro filho, mas ainda mais entusiasmante foi conhecer profundamente—ou um pouco menos que isso—intelectos novos como Cam, um dos homens mais cativantes de sempre, sem dúvida, ou Bullard, uma personagem ainda mais vil que o próprio St. Vincent em Sedução Intensa.

Igualmente impressionante foi o ambiente inesperado que Kleypas escolheu para agraciar parte do enredo—a atmosfera sombria e algo elitista do Jenner’s, uma das mais afamadas casas de jogos de azar, em Londres. Um tema que nunca antes vi abordado num romance do género, e que aqui se encontra explorado de uma forma extremamente interessante e proveitosa, acabando por combinar, de modo exímio, com a personalidade de St. Vincent—num mundo seu conhecido, em que é rei.
Também a componente (extra) de suspense e constante temor pela vida de Evie, primeiro devido aos seus tios e depois em consequência de algo que nunca poderia contrariar, veio tornar a trama ainda mais empolgante—se é que tal é possível. Assim, caracterizando-se, primeiramente, como um romance de época mas destilando uns quantos outros elementos importantes de outros géneros literários, Paixão Sublime é, então, uma história completa, que cativa e apela, que comove e enternece, e que, principalmente, entretém.

Quanto a mim, esta não só foi uma leitura que me encheu, por completo, as medidas, como também se transformou num dos meus romances favoritos. A narrativa encontra-se brilhantemente trabalhada, a escrita de Kleypas continua a fazer-me folhear página atrás de página e as personagens por ela criadas são tão belas, tão arrebatadoras, que não há como lhes resistir. Agora, somente me resta aguardar, com enorme expectativa e entusiasmo, a publicação do livro referente a Daisy para, assim, fechar um ciclo de encalhadas que tanta gargalhada e sofrimento me tem provocado. Adoro Lisa Kleypas, e adoro a sua série À Flor da Pele.
Uma aposta absolutamente genial por parte da 5 Sentidos, uma chancela Porto Editora, perfeita para aquecer—ainda mais—os corações neste verão quente, ou, até mesmo, o inverno que aí virá eventualmente. O importante é que Paixão Sublime seja partilhado, seja devorado. Adorei.

Pedacinho picks... Quinta Essência

Estou muito, mas muito mesmo, entusiasmada com o novo romance desta autora, principalmente porque já li um da sua autoria do qual gostei imenso—e durante o qual não resisti a verter uma ou outra lágrima. Envolvente, emotivo e aconchegante, é assim que vejo as histórias desta escritora.
Ninguém me conhece como tu, uma das escolhas da Pedacinho, para o corrente mês de Julho, com carimbo Quinta Essência.

Ninguém me conhece como tu
Anna McPartlin

Eva e Lily eram as melhores amigas desde a infância. Porém, uma discussão enorme e dezassete anos mais tarde, Eva acorda de um acidente horrível e encontra a sua velha amiga a cuidar dela. 
De início, o reencontro é feito a medo, mas durante os muitos meses de Eva no hospital, as amigas enfrentam tanto as mentiras do passado como as suas falhas presentes. E cada uma vê claramente como a outra precisa de mudar a sua vida: Lily deve sair de um casamento impossível e Eva tem de enfrentar a dor que causou a outros. 
A crise que reuniu Eva e Lily parece uma bênção que lhes deu uma segunda oportunidade para se apoiarem quando mais precisam de um ombro amigo. Mal sabem elas que a sua amizade está sob uma ameaça que irá mudar o futuro para sempre... 

Sobre a autora:
Anna McPartlin nasceu em Dublin, em 1972. Estarás Sempre Comigo é o seu primeiro romance, inspirado na própria experiência de perda da autora e na capacidade de sobrevivência necessária para superar os desgostos da vida. Em 2007, foi vencedora do prémio Revelação do Ano nos Irish Book Awards
Anna McPartlin viveu parte da infância em Dublin, até se mudar para Kerry, na adolescência, onde foi criada pelos tios. Após concluir o ensino secundário, entrou para a faculdade onde estudou Marketing, mas manteve o seu amor pela stand-up comedy e pela escrita. Enquanto trabalhava nas artes conheceu o marido, Donal. Actualmente vivem em Dublin. 

2009 Pedacinho Literário. All Rights Reserved.