quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Um Erro Inconfessável, Emma Wildes



Título Original: Our Wicked Mistake
Autoria: Emma Wildes
Editora: Planeta Manuscrito
Nº. Páginas: 319
Tradução: Maria José Santos


Sinopse:

Madeline May, a jovem viúva Lady Bewer, encontra-se num terrível dilema. Vitima de chantagem que se transforma em homicídio, torna-se claro que só um homem a pode ajudar: Luke Daudet, o mal-afamado visconde Altea, que está habituado a lidar com homens de reputação duvidosa e que ela despreza com todas as suas forças.
Como conhecedor de mulheres bonitas, Luke reconhece a atracção física que Madeline exerce sobre ele e o perigo que representa. Desde o momento em que se conheceram – e após uma inesquecível noite de paixão –, que sabe que é diferente. E quando recebe o fatídico pedido que lhe enviou, apercebe-se de que não conseguirá manter-se afastado...


Opinião:

Uma aposta afortunada marca o ritmo de uma reputação pontuada pela mácula e pela expressividade libertina. Uma chantagem imoral serve de motivo a uma acção capaz de mudar a vida de uma mulher virtuosa e inteligente. Mas quando duas almas necessitadas finalmente encontram, entre si, a ajuda e o conforto por que tanto anseiam e procuram, apenas um desfecho será possível: amarem-se ou... odiarem-se para sempre. Só que, numa sociedade pecadora e altruísta, qual dos dois sentimentos incitará os mais perturbadores e inconstantes rumores? E qual dos dois, em última instância, triunfará face o outro?

Um Erro Inconfessável é mais um extraordinário romance de época que fará as delicias de qualquer leitor aficionado pelo género. Emma Wildes é uma contadora de histórias brilhante, que sabe como apelar ao interesse de quem a lê fazendo uso de tramas simples que, no seu íntimo, para além de singulares, têm também muito a mostrar. A forma como a autora molda as suas personagens ao século retratado, pegando em pequenos e iminentes escândalos e em personalidades algo tumultuosas e em constante conflito, é sensacional na medida em que transforma um enredo modesto e vulgar numa narrativa incrivelmente apetecível e deleitável. Este seu quarto trabalho, publicado em terras lusas, não é excepção.

Lady Bewer sabe o que é sofrer, em primeira mão, a morte prematura daquele que se ama de coração. Desfeita por um abandono precoce, ocupada pela educação de um filho pequeno e atormentada por uma única e incrivelmente memorável noite de paixão, esta é uma mulher que se esforça por manter a compostura e a má língua longe de casa. Contudo, quando se vê subitamente encurralada face uma chantagem que não consegue controlar ou impedir, e um erro que a poderá levar ao cadafalso, na sua mente somente um nome surge como aquele que a poderá ajudar... só que, em contrapartida, nada a poderá preparar para a torrente de emoções e sentimentos que um mero e excepcional encontro poderá despoletar. Estará Madeline preparada?
Luke Daudet é um homem que sabe como retirar prazer da vida. Após paga a sua quota-parte de agitação de guerra, enquanto soldado inexperiente, tudo o que o célebre visconde Altea pretende é desfrutar do seu dinheiro, da companhia de mulheres bonitas e maduras e de uma vivência despreocupada e prazenteira – mesmo tendo de prestar atenção e auxílio à sua irmã mais nova que se encontra a debutar e a uma presença idílica e contínua de uma senhora em particular que, mesmo esforçando-se para tal, nunca abandonou o seu pensamento. O problema surge quando a Lady em questão recorre à fama e habilidade que o precede para a socorrer de um homicídio involuntário. Irá Luke arriscar-se perante um charme feminino a que não consegue resistir? E que consequências trará essa inoportuna renúncia?

Enquanto protagonistas deste romance, Madeline e Luke são duas personagens verdadeiramente enternecedoras que, com relativa facilidade, ora cativam o leitor ora o fazem suspirar por um amor tão perfeito e sólido que seria uma pena ser desperdiçado por futilidades e desentendimentos. Apresentando-se como uma segunda oportunidade no amor e na incessante busca pela felicidade, este casal ainda assim não consegue desviar-se dos traumas, desejos futuros e acontecimentos passados que os moldam enquanto pessoas individuais. E será por isso que, mesmo partilhando um sentimento e união tão forte e resistente, a possibilidade de sucesso nunca será garantida até quase ao virar da última página. Parte da beleza desta obra reside precisamente no crescimento e abertura de ambas as personagens, mas mais da parte de Luke que, como homem libertino e acostumado a uma liberdade total, sente uma certa dificuldade em abandonar o desgosto que o traiu em tempos de guerra para abraçar a hipótese de constituir família e construir um lar. Mas tudo é possível através da voz inconfundível de Emma Wildes e esta será uma viagem estupenda pelas amarras da paixão e pela volatilidade dos erros.

Outro pormenor que vem embelecer este enredo é o casal secundário que, sempre pontuado com um certo grau elevado de humorismo, curiosidade e falta de jeito próprios da juventude, permite ao leitor soltar umas quantas gargalhadas e mais uns tantos suspiros perante a clareza de sentimentos camuflados e posturas fingidas com que se manifestam. Verdadeiramente comovedoras e apelativas, estas duas personagens são parte da alegria e divertimento puro que preenche as páginas deste livro. Sempre adoráveis, sempre dispostos a arriscar um comentário sarcástico ou um sorriso proibido, este casal é uma autentica voluptuosidade para os sentidos. Juntamente com um descrever de época belíssimo e extremamente cuidado e altivo e a acrescentar o próprio estilo narrativo da autora que, de uma forma majestosa, conjuga todos estes pormenores irresistíveis e muitos outros, Um Erro Inconfessável trata-se de uma obra soberba e de uma continuação fantástica numa trilogia que promete desvendar tantos outros segredos e surpresas no último volume que a compõe.

De leitura impulsiva e desenfreada, ao ponto de ficarmos surpreendidos com o rápido avançar das páginas – eu fiquei! –, Um Erro Inconfessável é um romance agradável, leve, envolvente e profundamente perfeito para aquecer nestas exageradamente noites frias de inverno. Uma aposta Planeta Manuscrito que não podem perder! Eu adorei. 

3 comentários:

Bia Carvalho disse...

Não sei pq as editoras aqui do Brasil não lançam esses livros maravilhosos!
Dá vontade de ir morar em Portugal!

Bjs
Bia
www.amormisterioesangue.com

Daniela disse...

olá
adorei a sua opinião deste livro de Emma Wildes. Tenho um livro dela, o "Uma Aposta Perversa", ainda não o li e espero mesmo que seja mais um livro dela extraordinário. estou anciosa por pegar nele :)

beijos

Pedacinho Literário disse...

Olá, Daniela :)
Muito obrigada pelo comentário positivo relativamente à opinião. Pessoalmente, acho esta autora fantástica! Se tens esse livrinho dela na estante, então digo-te: pega-lhe! :D

Beijinhos

2009 Pedacinho Literário. All Rights Reserved.