sexta-feira, 17 de junho de 2011

Alera - A Princesa Herdeira, Cayla Kluver



Título Original: Legacy
Autoria: Cayla Kluver
Editora: Planeta Manuscrito
Nº. Páginas: 418
Tradução: Maria José Figueiredo


Sinopse:

Uma  violenta rivalidade entre dois reinos ameaça evoluir para um estado de guerra. No meio deste conflito, uma princesa voluntariosa encontra-se dividida entre o dever e o desejo.
Obrigada a casar com o homem que o pai escolheu para lhe suceder no trono, a jovem princesa Alera de Hytanica vê-se forçada a enveredar pelo pior dos destinos, o casamento com o arrogante e colérico Steldor. Quando o misterioso e sedutor Narian chega a Hytanica, vindo do território inimigo trazendo segredos e noções inconcebíveis acerca do papel das mulheres na sociedade, os desejos de Alera põem em causa o futuro do reino.
A descoberta do terrível passado de Narian mergulha Alera no mundo obscuro de intrigas palacianas e conflitos pretéritos, a ponto de não saber em que acreditar, nem em quem confiar.


Opinião:

Estou verdadeiramente impressionada...
... e irremediavelmente curiosa com o futuro de um reino algo insensato e altivo e de uma Rainha (ou quase) cujas obrigações matrimoniais se encontram longe de serem sinceras e bem recebidas.
Alera – A Princesa Herdeira, ao contrário do que inicialmente por mim julgado, não é, de todo, um romance de fantasia. Ao invés, o leitor vê-se perante um livro incrivelmente bem estruturado, com uma linguagem excepcionalmente cuidada e envolvente – em especial tendo em conta que a autora tinha, somente, dezasseis anos quando o escreveu –, personagens intrigantes e de nomes invulgares e, claro, diante de uma obra com fortes e pronunciadas tendências de romance histórico, ainda que numa vertente mais light, fantasticamente orquestrado em torno de um enredo interessante, eloquente e de potencial bastante elevado.

Alera é a princesa herdeira de Hytanica e diz a tradição que, ao completar os dezoito anos, o ascensor ao trono deverá unir-se em matrimónio e tomar as rédeas do reino. Acontece que Alera, sendo mulher, nunca poderá ser chefe regente, tendo então de escolher um potencial pretendente por forma a torná-lo Rei e, por consequência, o mais alto soberano de Hytanica. O problema é que a pessoa escolhida pelo seu pai para ocupar o papel de pretendente principal – e, por ele, o único –, não suscita qualquer interesse positivo em Alera, tendo ela, inclusive, o considerado como um rapaz arrogante, pretensioso e altamente manipulativo. E é com a captura inesperada de um cokyriano em Hytanica e a curiosidade inevitável que este exercerá em Alera que proporcionará a esta a oportunidade ideal para se distrair da insistência de um Steldor indesejado e de um futuro incerto e sobre o qual não quer sequer pensar. Com inúmeros acontecimentos importantes pelo meio que porão em risco a sobrevivência de Hytanica e dos seus habitantes assim como o controlo do coração e acções de Alera por parte de um pai, por vezes, excessivamente influenciado, paranóico e protector, Alera – A Princesa Herdeira mostra-se assim como um romance atraente, por vezes divertido, com uma protagonista de peso e incrivelmente humana, e recheado de uma acção emotiva em constante mutação, que agarrará o leitor do princípio ao fim.

Pessoalmente, os aspectos que mais se destacaram foram a escrita e as personagens. Gostei, particularmente, de Narian por ter toda uma aura misteriosa em seu redor, mostrando-se ora vulnerável ora extremamente forte, e conseguindo sempre persuadir, surpreender e, principalmente, esconder todas as suas potencialidades. Alera também me despertou relativa curiosidade, provavelmente por ser a narradora e, instantaneamente, me ter identificado com ela. No entanto, penso que por vezes poderia ser mais convicta nas suas decisões, embora a considere uma personagem intelectualmente inteligente e perceptiva. London deixou-me com a pulga atrás da orelha. Sendo, durante grande parte da narrativa, o guarda encarregue de defender Alera, é automática a forma como o leitor se deixa convencer pela forma de agir dele e pelo relacionamento emotivo que desenvolve com a sua protegida. Finalmente, Steldor; estou bastante convicta de que esta personagem ainda tem muito para dar e, sobretudo, para mostrar. Fiquei com a estranha sensação de que ele esconde algo obscuro e inesperado, algo que irá definitivamente deixar o leitor boquiaberto – vamos ver se as suspeitas se confirmam!
Relativamente ao estilo, achei a escrita muito adulta e pensada, inteligente, coisa que não esperava de tão jovem autora. Cayla Kluver mostra conhecer eximiamente as suas personagens, descrevendo-as delicadamente, e apresenta um excelente trabalho em termo descritivo – tanto a nível social da época como sentimental da protagonista. Contudo, e aqui entra um aspecto negativo, achei que por vezes ela se deixava divagar um pouco, talvez demasiadamente embrenhada no psicológico de Alera, não trazendo, nessas vezes, nada de novo à história. Fora este pequeno pormenor, encontrei em Alera – A Princesa Herdeira uma narrativa muitíssimo madura, moderna no seu aspecto socialmente antigo, e, em dúvida, admirável. Admito estar desejosa de ler a continuação, em Fidelidade, visto este volume ter terminado de uma forma distintamente emblemática, deixando uma impressão de profundo mistério e perigo.

Cayla Kluver abre assim o apetite a um leitor emocionalmente arrebatado por deslumbrante e encantador romance. E mesmo com algumas falhas normais de uma obra de estreia, a autora consegue deixar o bichinho bem lá no íntimo do leitor de modo a cativá-lo e a motivá-lo para a continuação que já ansiosamente se espera.
Distinto. Diferente. Curioso. Notável. Alera – A Princesa Herdeira é um romance que o irá agarrar do primeiro capítulo à última frase, quase sem lhe dar hipótese para respirar e repousar por um bocado. Com um toque romântico mas igualmente guerreiro, esta é uma obra que vai querer ler.  

5 comentários:

Ne disse...

estou a le lo tambem. ja tenho uns pontinhos negativos a apontar, mas ja se começam a desvanecer e tudo indica que vou acabar por gostar tanto como tu deste livro

Pedacinho Literário disse...

O livro tem pontos negativos mas penso que é por se tratar de uma obra de estreia escrita por uma autora ainda muito nova, não concordas? No entanto, toda a dinamica do enredo é interessante pelo que acho que os aspectos negativos acabam por se camuflar. ehheh :)

Elphaba J. disse...

O teu entusiasmo despertou-me a curiosidade miga :)

Beijinho*

Jojo disse...

Eu queria ler este livro mas estava com medo porque apesar de ter uma sinopse agradável, a juventude da escritora fez-me duvidar da sua qualidade. Estou a ver que me enganei:)...

Flor de Lua disse...

Olá. eu vi este livro no outro dia e despertou-me a atenção. Não só pela história, mas também pela idade da autora. Acho bastante interessante os livros de fantasia e esta autora despertou a minha atençao, porque eu não só apenas tenho 15 anos, como também tenho uma história que eu escrevi. tudo começou por ser apenas um pequeno texto, mas depois puf, entusiasmei-me, estou quase a terminar, quando mostrei uma pequena parte à minha professoa de portugues e a alguns colegas eles disseram-me para tentar publicar. Querem mesmo que tente fazê-lo. E descubrir, há 2 dias, que uma adolescente, da minha idade, tinha publicado o livro, deu-me mais esperança de que consiga também publicar. =) obrigada pela sinopse e opiniao. estou ansiosa por lê-lo.

2009 Pedacinho Literário. All Rights Reserved.